O Promotor Público Gaetano Bono lidera as investigações sobre a morte de Stefano Paternó, 43 anos, suboficial da Marinha em serviço na base de Augusta (Siracusa), que faleceu no dia 9 de março do ano passado em sua casa em Misterbianco (Catânia , Sicília) quinze horas após receber sua primeira dose da vacina AstraZeneca, busca uma visão geral completa para apurar o que aconteceu com Paternó.

O resultado de sua investigação também pode lançar luz sobre outras investigações (atualmente cerca de dez) abertas em toda a Itália sobre mortes suspeitas relacionadas ao recebimento da primeira dose da vacina. Foi o mesmo Procurador que emitiu uma decisão europeia de investigação, solicitando novas investigações “técnicas irrepetíveis” para apurar a natureza e as características do conteúdo dos frascos da vacina AstraZeneca para seis lotes. Os frascos seriam entregues na Holanda, Rivm – Instituto Nacional de Saúde Pública e Meio Ambiente, para investigação.