No processo penal movido contra I. D. Gavanozov, o Spetsializiran nakazatelen sad (Tribunal Penal Especializado, Bulgária) decidiu, pela primeira vez, emitir uma DEI na qual solicitava às autoridades tchecas que realizassem buscas em residências e instalações comerciais e apreendessem certos itens. No entanto, o tribunal búlgaro também decidiu dar início a um procedimento de decisão prejudicial, uma vez que concluiu que a implementação búlgara da Diretiva DEI não permite contestar as razões substantivas da emissão de uma DEI, caso se trate das medidas de investigação acima mencionadas.